sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Relembrar é viver!


Reviver. Essa foi a palavra-chave na gravação sobre os 60 anos do trio-elétrico, nos estúdios da Rede Bahia, com Durval Lelys. Foram momentos emocionantes revividos por ele, contando sua trajetória durante esses anos de folia.

Entrevistado por Isabela Laranjeira, nosso “Rei da Rua” começou relembrando seu tempo de adolescente, quando ele e mais dez amigos saiam atrás do Jacú, bordejando o bloco como verdadeiros pescadores do carnaval!

- "Essa era a fantasia da época: calça jeans, sem camisa! E acompanhando o Bloco Jacú que não tinha corda", relatava Durval. O ponto culminante era quando, ao chegar, na Praça Castro Alves, encontravam os trios: Tapajós, Saborosa, Caetanave e viam de perto Caetano Veloso, Os Novo Baianos, Morais Moreira e Gilberto Gil considerados ícones da época.

Durvalino começou a compor cedo e revelou ter sido o vencedor do concurso de música, do Bloco Traz os Montes. Ali foi a primeira vez que subiu ao palco e cantou com a banda Scorpions, que na época puxava o bloco. E aqui vai um trechinho da letra:

LOUCO E CONTENTE
CARNAVAL QUE ALUCINA
O TEU BLOCO COMO A FORÇA DA SERPENTE
VEM TO DE VOLTA
O TEU BEIJO ME DEIXE
DESEJOS DE VOAR COM VOCÊ
VEM TRAZ OS MONTES ESPERE
DESSA CORDA SÓ SAIO
SE UM DIA MORRER

Foi assim que ele percebeu a movimentação musical e sentiu vontade de entrar naquele mundo, rumo ao sucesso.

Com a guitarrinha baiana nas mãos, as lembranças não paravam de surgir e narrou um momento, considerado por ele, inesquecivel. Era carnaval e estavam tocando no bloco Pinel, conta ele: - "Naquela época nós fazíamos muitas loucuras com a guitarra. Jogávamos ela pra cima, pulávamos, mostrávamos bem o lado rock in roll. Estávamos na Avenida Sete, quando o baixista da banda, na doideira lançou o baixo para cima e este ficou preso, entre o fios de eletricidade... Ele começou a gritar: 'PÁRA, PÁRA. MEU BAIXO FICOU AGARRADO NOS FIOS...' Tivemos que parar o trio, dar ré para pegar a guitarra de volta! Esse foi um momento que realmente não esqueci e dou risada até hoje quando lembro" - finalizou o Pop com o sorriso no rosto.

Sentado no banquinho, Durvalino contagiou a todos, ali presentes, com suas lembranças e experiências de vida. Foram quase duas horas de entrevista, finalizada ao som da guitarrinha baiana, emanando pura musicalidade que vinha do fundo da sua alma... Valeu, meu Rei!

5 comentários:

  1. Só tenho a dizer uma coisa ele DURVAL tem historia viu pra contar e pode falar sim de toda essa musicalidade,tanto como folião,discipulo de seu Dodô e Osmar e toda a familia Macedo,Moraes,Caetanave e como puxador de blocos pelo BRASIL e mundo a fora.
    A Bahia o Brasil e o mundo se sente agradecidos por ter toda a musicalidade da guitarra baiana sendo assim divulgada nos 60 anos de TRIO, agradece muito a todos que divulgam o som e o poder da guitarrinha baiana, poder mostrar para os que agora chegam o som dessa guitarra baiana e para os mais antigos relebrar os velhos carnavais de outrora.Viva a guitarra baiana viva o Trio Elétrico TriEletrizando geral!

    ResponderExcluir
  2. Souu fã~de caaarteirinha de Durval

    sii Bell é o Rei, Durval é Deus;D

    By:Paulliinha Merces

    ResponderExcluir
  3. te amo demaisss

    by Mila

    ResponderExcluir
  4. ESSE AMOR QUE TENHO POR VCS É AMOR DE FÉ, É AMOR DE PAZ E DE PRIMEIRA...
    AMOR ETERNO

    ResponderExcluir
  5. Durval, vc mais do que ninguem representa toda musicalidade baiana e a importancia do axé na musica brasileira, ritmo que sofreu e sofre mto preconceito daqueles que nao conseguem entender a grandiosidade que é a musica baiana,não so o axé... mais a musica baiana em fim! Sou mto grata por tudo que vc representa e pelo que vc representa dessa terra de todos nós! Eu sou Sua fã! de carteirinha! e agora VAMOS REICICLAR O AMOR!

    ResponderExcluir